Total de visualizações de página

Pesquisar este blog

15 de abril de 2011

CAPTURADO EMPRESÁRIO QUE MATOU INVESTIGADOR DE POLICIA ANDRÉ CALDEIRA BRANT


LEONARDO MORAIS
enterro de policial assassinado
Enterro aconteceu momentos antes da apresentação de Geovando
     O empresário Geovando Ferreira Terra, 34 anos, foi preso nesta quinta-feira (14) sob suspeita de matar o investigador da Polícia Civil André Caldeira Brant, 22 anos, em Conselheiro Pena, na madrugada do último domingo (10). Geovando estava em Vila Velha (ES) e, segundo a polícia, se preparava para deixar o Brasil. Ele chegou a Governador Valadares, algemado, logo após o enterro da vítima, no fim da tarde. A mulher do empresário, a agente penitenciária Andréia de Souza, 24 anos, está presa por suposta participação no crime.

    Uma das linhas de investigação da polícia é a de crime passional. O detetive mantinha um relacionamento amoroso com a agente e teria sido morto ao ser surpreendido na casa dela pelo marido traído, que fingiu viajar. Geovando teria efetuado um disparo em direção ao detetive e, como André reagiu, o empresário cravou uma faca no peito dele. O corpo foi amarrado a pedaços de trilhos pelos pés e cabeça e jogado em uma lagoa no município vizinho de Galileia. A arma de André foi encontrada na casa de parentes do suspeito.

    Mas outras hipóteses para o crime não são descartadas. A polícia descobriu que “Gil”, como Geovando era conhecido na região, embarcaria para a Guatemala. Também investiga a possibilidade de o empresário atuar como “cônsul” (pessoa que alicia emigrantes). Ele teria uma propriedade rural em uma das rotas alternativas usadas pelos emigrantes clandestinos, no exterior. O suspeito ainda pode estar envolvido no roubo de um caminhão da Prefeitura de Conselheiro Pena.

    O pai do empresário, Vanderley Terra, 60 anos, também teria participação no episódio. Ele vai ser denunciado por crime contra a administração da Justiça porque, segundo a polícia, pintou a casa de “Gil” de vermelho para dificultar a identificação de manchas de sangue. A pena para esse crime vai de 6 meses a 4 anos de detenção. A substância química luminol permitiu aos investigadores encontrar manchas nas paredes, no colchão e no chão do imóvel.

Dúvidas cercam participação de mulher

    A participação da agente penitenciária no crime, segundo o delegado regional em Valadares, Jefferson Botelho, ainda não está esclarecida. Primeiro, Andréia alegou que o marido estava fora da cidade há 15 dias. Mas, em novo depoimento, disse que Geovando matou o investigador depois de surpreendê-los na cama. Garantiu também que foi obrigada a ajudar a enrolar o corpo em um lençol, colocá-lo na caminhonete e desová-lo na lagoa.

    Uma multidão acompanhou o enterro de André, em Valadares. A tia de André Brant, Romilda Vieira, 31 anos, acredita que o sobrinho foi atraído para uma armadilha. Segundo ela, a vítima tinha namorada e já havia comentado com amigos que estava sendo assediado pela agente, mas que não se relacionaria com ela. “Andréia não suportou a rejeição”, disse. A agente penitenciária está presa em Belo Horizonte e, segundo a Secretaria de Estado de Defesa Social, será demitida.
 
Fonte: Ana Lúcia Gonçalves - hoje em dia