Total de visualizações de página

Pesquisar este blog

21 de maio de 2014

SENADO APROVA PORTE DE ARMA PARA AGENTES PRISIONAIS FORA DE SERVIÇO

 MAIS UMA VITÓRIA DO SINDASP-MG EM CONCRETIZAR RESPEITO E DIREITOS  AOS AGENTES DE SEGURANÇA PRISIONAL.

Mais uma vez devemos agradecer a luta de todos os companheiros que nos representam nas forças sindicais de todo país que estiveram na luta pela aprovação do referido Projeto de Lei que nos pleiteia a nível nacional a portar arma mesmo fora de serviço.

 
Adeilton e Carlos diretores do SINDASPMG
Gostaria de Agradecer ao SINDASPMG, pela luta incansável nos direitos e garantias que esta sempre presente nas conquistas, onde foi fundamental o porte de armas garantido na  Lei 21.068, publicada no Diário Oficial, regulamentando o porte de arma institucional ou particular, ainda que fora de serviço, dentro dos limites do Estado. E agora a nível nacional como aprovado hoje a tarde.  Enfim, a luta continua para que sempre seja concretizado uma qualidade de profissionalismo eficaz de uma classe que merece respeito da sociedade em geral. 

Priscilla Mendes
Do G1, em Brasília
O Senado aprovou nesta quarta-feira (21) projeto de lei que autoriza porte de arma de fogo por agentes penitenciários, guardas prisionais e guardas portuários fora do serviço. O texto, que foi originalmente elaborado pelo governo federal, seguirá para sanção presidencial.
O projeto teve amplo apoio dos senadores e foi aprovado de forma simbólica, sem necessidade de contar os votos. O texto determina que, fora do serviço, as três categorias serão autorizadas a portar arma de fogo particular ou fornecida pelo órgão a que estão vinculados desde que trabalhem em regime de dedicação exclusiva.
Esses profissionais devem ainda ser subordinados a mecanismos de fiscalização e controle interno e terem "formação funcional adequada", segundo determina a matéria.
As três condições para o porte de arma fora do serviço foi uma exigência do Palácio do Planalto, que já havia vetado outras propostas semelhantes. Em outubro de 2013, a presidente Dilma Rousseff barrou um projeto sobre o assunto sob a justificativa de que o porte deve ser acompanhado das "devidas precauções legais".
O texto original enviado pelo Ministério da Justiça, porém, não contemplava os agentes portuários. A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), que era ministra da Casa Civil até janeiro deste ano, disse que o governo é contrário ao porte de arma fora do serviço para essa categoria e sinalizou a possibilidade de veto presidencial a esse artigo.
A petista votou favoravelmente ao texto, mas disse que o artigo sobre os agentes portuários – acrescentado na Câmara dos Deputados – "pegou carona" no projeto. "Quero lamentar que a Câmara tenha incluído o porte para guarda portuário. Não há justificativa", afirmou. "A presidenta vai analisar a possibilidade de manter isso ou não", alertou Gleisi.
Na justificativa do projeto, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, explicou que a concessão do porte de arma é uma "demanda desta categoria profissional pela autorização legal para portar arma de fogo, mesmo fora do serviço, seguindo regras específicas e diferenciadas daquelas a que estão sujeitos os demais cidadãos".
O relator do texto no Senado, Gim Argello (PTB-DF), disse que os agentes e guardas prisionais e os guardas portuários "estão sujeitos a risco constante". "Para eles, a situação de perigo estende-se às suas moradias e, até mesmo, aos trajetos que fazem habitualmente fora do serviço", declarou.
Em 2013, centenas de agentes penitenciários acamparam por semanas em frente ao Congresso em defesa do pedido. Parte deles estava no plenário do Senado durante a sessão desta tarde e aplaudiu a aprovação do projeto de lei.
"Hoje esse grupo que está hoje comemorando uma luta de mais de um ano. É uma reivindicação justa que foi atendida pela presidente Dilma Rousseff", disse Gim.